quinta-feira, 22 de outubro de 2009

A casa da minha vó

Morei em Santos, onde nasci, até uns 4 anos. Mãe e pai trabalhavam em São Paulo, meu irmão ainda não existia, eu e minha irmã ficávamos o dia inteiro na casa da minha vó. Lembro muito claramente de ir com minha vó no portão ver minha irmã ir para escola com uma saia branca plissada (linda) nos dias de educação física. Era meu sonho ter uma saia igual. Achava tão lindo vê-la se afastar de costas de mãos dadas com meu vô.
Quando ela voltava trazia da merenda um saquinho com umas bolachas deliciosas que a gente batia com leite no liquidificar e tomava feito vitamina, não consigo lembrar que gosto tinha ou de quem foi a idéia de bater a bolacha com leite, mas só sei que era bom, e parecia festa quando ela chegava com essas bolachas.
Minha vó morava na R. da Liberdade, 109, moramos um tempo lá, de dormir, acordar, tomar café, todos juntos, mas também lembro de um apartamento na Vila Belmiro que meus pais alugaram depois de um tempo. Desse apartamento não lembro quase nada, só de um abajour em forma de palhaço (kistch) e do meu vô me levando para assistir ao treino do Santos no campo que era muito perto, a gente ficava numa grade e ele me segurava no colo bem alto.
Na casa da minha vó tinha a Ilha da Fantasia, que era a garagem, cheia de milhões de cacarecos e que me parecia enorme ante meus 3, 4 anos. E também tinha a cadeira de balanço que meu vô sentava e contava histórias enquanto eu ficava puxando a pele da mão pra cima e rindo muito porque ela demorava pra voltar. A cadeira ainda existe, mas está na casa do vô, chamada assim porque a vó já foi pro céu.
Minha vó fazia rocambole e enrolava no pano de prato polvilhado de açúcar. Meu vô fazia caranguejo, comprava vivo e deixava no tanque para as crianças (eu e minha irmã) brincarmos, mas ele era bonzinho e matava os bichinhos antes de colocar na panela com tomate, cebola e cerveja. E ainda quebrava as patinhas e dava na nossa boca. Minha vó descascava laranja serra d'água (lima aqui em SP) e dava pra gente. Meu vô fazia o melhor feijão do mundo, sempre tinha carne seca, bacon e outras delícias. Minha vó fazia panetone sem as frutas porque a gente não gostava, sempre tinha manjar branco e batata cozida e frita na manteiga que eu adorava.
A gente dava banho de escova e sabão de côco na Guga, um cágado enorme que morava lá. Tinha goiaba com bicho na goiabeira e eu comia todos os tomatinhas cereja que minha vó plantava. Banho era de mangueira, no quintal, tinha que puxar a mangueira, passar pela janela, pendurar na grade e virava o melhor banho do mundo, mas quando a gente era menor o banho era no tanque, o mesmo em que os caranguejos passeavam antes de ir pra panela.
Na calçada tinha um ingazeiro, que dá um fruta parecida com a vagem da ervilha, só que dentro é cremosa, com fiapos e muito doce. Tinha um rack enorme na entrada, com pés palito, eu fuçava em todas as gavetas para descobrir segredos. Nesse rack que todo ano se montava a árvore de Natal, toda prateada, cheia de fiapos e bolas chiques de vidro que foram se quebrando com o tempo. Os presentes só apareciam depois que a gente saía pra dar uma volta com o meu vó e quando a gente voltava o Papai Noel tinhado passado por ali, que azar o nosso, ele sempre chegava quando a gente ia dar nossa voltinha. Minha vó sempre falou que só ganha presente quem acredita em Papai Noel.
Eu acredito até hoje e queria estar agora na Ilha da Fantasia chupando um ingá...
Blog Widget by LinkWithin