quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Essa eu não entendi


Sempre me considerei uma pessoa com um mínimo de inteligência. Aliás, pra mim esse é um dos melhores elogios que podem me fazer (mas vc tb pode dizer que eu sou cheirosa, simpática, tenho bom gosto, que eu não vou ligar, não). Enfim, tem dois comerciais de automóveis que estão no ar que eu definitivamente não entendi.

No primeiro um rapaz compra uma bola de vidro de enfeite e a acomoda no banco detrás do carro dentro de uma caixa. Aí "magicamente" aparece correndo na rua uma moça em trajes ginasticais, só que dentro de uma bola de vidro, vejam vcs. O moço acelera para ir atrás da moça, qdo ele a encontra, breca o carro fazendo a bola de vidro que estava no banco quebrar e conseqüentemente a redoma de vidro da corredora tb quebra, ela se espanta, ele sorri, slogan do carro, fim.

(Minha modesta análise ou moral da história: não deixe nada no banco detrás do carro, pq assim que vc brecar vai quebrar e/ou nós moças que corremos nas ruas somos inatingíveis, mas se vc tiver o carro certo eu quebro minha redoma por vc)


No segundo um moço estaciona o carro perto de uma banca de revistas, compra alguma coisa e se depara com um cartaz de uma estória em quadrinhos com uma heroína gostosa. Ela "magicamente" sai do cartaz, entra no carro com ele, passeiam, até que começa a chover e duas gotas atingem a heroína, que como é feita de papel e tinta, fica um pouco manchada. Ela fica triste e os dois entram no carro. Ele a leva de volta e ela entra no cartaz de novo, slogan do carro, fim.

(Minha modesta análise ou moral da história: por melhor que seja a tinta da impressora ela borra quando molhada e/ou não diriga após ingerir LSD)


Eu imagino os executivos na reunião para aprovar esse comercial: -Hum, se nós não entendemos deve estar bom mesmo!
Blog Widget by LinkWithin